Feminista

Foram tantos anos coberta
Ela é mulher “não pode ser esperta”
Mas aprendeu que não valia a pena
Ignorantes são eles
Não sou o problema
Indagou tudo
Sentiu tudo
Tamanha paixão explodindo do peito
Ainda assim, a moça “não se dava o respeito”

Marcas no corpo e no coração
Como Alice caindo num poço sem chão
Porém encontrou refúgio
Nos braços de outras mulheres
Que julgavam aquelas atitudes com repúdio
Aprendeu a amar-se
Cada pedacinho de seu corpo fazia parte
Cada traço do seu corpo era poético

E aos que julgavam como errado
Ela simplesmente pensava:
Patético!

Caroline Bach Frey

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *