Desetnize-se

Sou branco
Sou mulato
Sou cinza
Sou pálido
Sou verde
Somos gente
Fale seu dialeto
Qual é a sua língua?
Vem e mistura com a minha.
Que pano te veste?
Que no Ocidente se despreze.
Sua raça.
Uma graça.
Sua cultura.
Nossa cura.
Que comida te serve?
Que na nossa panela não ferve.
Se come frio ou quente.
Ou se dorme do lado direito ou esquerdo.
Por cima ou por baixo.
Se te deita com uma ou mil.
Se ouve reggae, punk, jazz ou mpb.

Não seja igual.
Se pode ser você mesmo.
Sem medo.
Nem credo.
Desetnize-se.

6 comentários a “Desetnize-se”

  1. Mui belo, o poema. E como ser diferente, se dentro da gente há os genes primevos dos aborígenes, do homem das cavernas? Não há mesmo quem não tenha essa maravilhosa mistura de gens da única raça hominídea, no planeta: a raça humana.

    Abraço cordial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *