Arquivo da Categoria: Sara Gehlen

O que somos?

Mais um dia chegou
E com ele, o hoje.
Mais um dia chegou
E mais uma vez podemos ser.
Somos novos,
Somos velhos,
Brancos, pretos, amarelos…
Pequenos, grandes, médios,
Retos ou circunflexos,
Animados ou cansados,
Somos mesmo o nosso reflexo?
Um novo dia é hoje
E por isso, somos diferentes de ontem.
O dia de hoje é novo,
E por isso, podemos, mais uma vez, sermos.
O que realmente somos?
Estamos realmente sendo?
Como somos realmente?
Precisamos ser quem somos de verdade!
Precisamos refletir nosso verdadeiro ser!
O hoje vem todo o dia
E mais uma vez temos a chance
De ser Humano.

Acordando

Posso acordar hoje e não querer ouvir o que eu preciso
Mas posso acordar hoje e dizer o que você precisa…
Posso acordar hoje e achar que hoje não é o meu melhor dia
Mas posso acordar e dizer que é o seu melhor dia!
Posso acordar hoje e não desejar nada
Mas posso acordar hoje e te desejar felicidade!
Posso acordar hoje e não encontrar quem eu gostaria
Mas posso acordar hoje e encontrar você!

Sintonia da luz

Depare-se consigo, andando.
Vais aonde?
Com quem vais?
Vais para o que lhe faz bem
Consigo, erguendo as pernas,
Mas, jamais sozinho.
Uma luz anda contigo,
Que serenamente, lhe harmoniza,
E você sorri para si.
Perceba que os outros lhe sorriem também.
É a luz que contigo anda,
Que atrai boas energias.
Sinta-se querido e agradecido,
Não só pelos sorrisos,
Não só pelo mundo,
Mas por quem fez com que você
Estivesse aqui, iluminado,
De luz própria.

Sara Gehlen

Ondas

E quando eu mergulho em você,
Sou uma onda que a ti retorna.

Vou até você, profundamente.
Arranco-te o que não tiver e lhe dou a minha mente.
Nado em você e encontro o vazio.
Mas preencho-te com meus fluidos caros
E você sorri como um menino.

Eu, apenas sou passageira.
Vou e volto como as ondas.
O mar é o que eu preciso que aberto sempre esteja,
Pra que um dia eu não chegue e bata nos rochedos que me fecham os olhos.
Quando em ti mergulho, sinto que pianos me tocam.
E preenchendo o seu vazio, inundo-me de você sendo em mim.

Eu em você, sou você por dentro.
Você sendo em minhas entranhas, sou você, por fora.
Extremamente fantástico é um complemento
Que cada onda faz para o mar andar.
Cada impulso que me faz em ti mergulhar,
É uma estrada que me faz… Tocar.

Sara Gehlen
.

Não há limites

Saber que quando me afasto,
Caem agulhas lá fora.
Lá fora.

Parece uma medonha superfície,
Vista de um lado.
E do outro lado, outros lados!

Olhou com olhos limitados,
E não viu o que caiu além do buraco,
Pois há um certo e um errado.

É triste um ouvinte que apenas compreende.
Abrem-se as janelas e ouvem os sons delas…
Pois há lá fora e aqui dentro.

Comoveu-se com a dor?
Não é suficiente uma voz sem violão.
Ouve-se a voz, mas não a canção.

Conheço-lhe, vejo-lhe, ouço-lhe e falo-lhe.
Sinto-lhe, entendo-lhe, percebo-lhe, mas, todavia…
Reconheço minhas atitudes de excessivamente,
Importa-me em adentrar-lhe, em estudar-lhe, pois,
És tu, de meu estudo, a inspiração!

Neurociência e progresso.
Em qualquer lugar da mente,
Há intensa atividade!

Mesmo que ainda não se saiba o quê,
Há eletricidade em todo você,
Fazendo alguma coisa.

Por isso, me afasto.
Caem agulhas em mim, e transmitem percepção.
Deste lado não há limites nem comportamentos esperados.
Todo o corpo sente.
Todo o cérebro entende
Quando uma onda mergulha ao mar, há de ser o mar que se desdobra”.

Sara Gehlen
.