O rubor da saudade

O êxito dos nossos desencontros
Provoca o desjejum da ausência
Que merece ficar à míngua de nós
Morrer vazia de obscenos abraços

Quanto à saudade, guarde para ela
O melhor canto da casa, da mala
Que de tão cheia de fome, avermelha
Face ao rubor da poesia que exala

Já sobre o amor sem escudos
Um pouco de suspiro cheira bem
No corpo que esconde no escuro
A ânsia pelo tempo de alguém

Ana Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *